Transferimos o blog...

Wednesday, September 19, 2018

Olá, caros leitores!
Se não seguem a página do Facebook, ainda não devem estar a par da última mudança. Por uma questão de conveniência, decidi transferir todo o conteúdo do Achar o Fio à Meada para o The Bookish Deer, de forma a ter um único blog, bilíngue.

Assim, passarei a escrever apenas no The Bookish Deer, tanto em inglês, como em português. Tudo o que o leitor tem de fazer é escolher a língua que prefere no menu, ao clicar na bandeira correspondente.

É algo que quero experimentar já há muito tempo, vamos ver como corre!! Quero apenas pedir-vos um favor: sigam o The Bookish Deer, porque o conteúdo será publicado lá e não aqui. Assim não perdem nada! 😉

Bem, queria apenas alertar-vos para esta mudança, não vos roubo mais tempo.
Vêmo-nos no The Bookish Deer ♡

Amor de Perdição | Camilo Castelo Branco

Monday, September 10, 2018


TítuloAmor de Perdição
AutorCamilo Castelo Branco
Editora: Guerra & Paz
Ano de publicação: 2016
Páginas: 208

Onde comprar (portes grátis): Wook

Sempre ouvi falar sobre Camilo Castelo Branco, a sua trágica história e o seu maior romance. Porém, só aos 21 anos li Amor de Perdição, e é dessa experiência que vos venho falar.

Esta é uma leitura muito triste: o autor conta-nos a história de Simão, seu tio, ainda que alterada e com ficção à mistura. Este apaixona-se por uma vizinha, paixão essa que é correspondida. Porém, à semelhança do que acontece noutras grandes obras literárias, estes dois personagens pertencem a famílias rivais. Como tal, a sua relação não é aceite e são proibidos de estabelecer qualquer contacto.

Amava Simão uma sua vizinha, menina de quinze anos, rica herdeira, regularmente bonita e bem-nascida. Da janela de seu quarto é que ele a vira pela primeira vez, para amá-la sempre. Não ficara ela incólume da ferida que fizera no coração do vizinho: amou-o também, e com mais seriedade que a usual nos seus anos (p. 37)

Não achei Amor de Perdição uma leitura muito fácil ao início, custou-me um pouco entrar na história. Como nunca tinha lido nada do autor, estranhei a escrita, mas a partir do terceiro ou quarto capítulo foi sempre a aviar, li tudo num instante. Adicionalmente, falou de política logo nas primeiras páginas, por isso eu comecei logo a revirar os olhos... mas depois mudou de assunto :P

Existe alguma crítica social, e a crítica à igreja é muito acentuada a certa altura, quando o autor escreve diversas cenas passadas no interior de um convento.

Não delongaremos esta amostra do evangélico e exemplar viver do convento onde [personagem] mandara a sua filha a respirar o puríssimo ar dos anjos, enquanto se lhe prepara crisol mais depurador dos sedimentos do vício no convento de Monchique (p. 83)

É muito interessante observar os contrastes entre a época em que a obra foi escrita e a nossa, a todos os níveis. Um desses contrastes será o casamento entre primos, ou o facto de o pai escolher o cônjuge dos filhos. Bem, na realidade esse passado não é assim tão distante, mas não é práctica comum nos nossos dias. Porém, talvez o maior 'choque' se dê no que toca a diálogos. Foi algo que notei durante a leitura: a linguagem é muito diferente. Claro que, pertencendo a uma classe social alta, o autor teria crescido envolto numa linguagem um pouco mais formal, mas até a linguagem formal difere da actual. É muito interessante, e para uma estudante de Letras é uma delícia!

A edição que li, da colecção de clássicos da Guerra & Paz, é exemplar. Além de ilustrações e prefácios/notas do autor, inclui uma secção de anexos que, entre outros extras, inclui textos de época de Manuel Pinheiro Chagas e Ramalho Ortigão acerca da obra. A partir destes, ficamos com uma noção da perspectiva, tanto do autor, como de terceiros seus contemporâneos, em relação a este romance.

Como devem saber, esta história é muito trágica, por isso ficamos de coração apertado o tempo todo. Porém, há alguns momentos de descontração, quando algum personagem tem uma saída mais engraçada. Esta cena em particular fez-me soltar uma gargalhada:

A rapariga sai à mãe. Minha mulher, que Deus haja, quando eu lhe andava rentando, dei-lhe um dia um beliscão numa perna. E vai ela põe-se direita comigo, e deu-me dois cascudos nas trombas, que ainda agora os sinto (p. 148)

Em suma, estou muito feliz por ter, finalmente, lido este grande clássico da nossa língua. Adorei cada momento, apesar de toda a tristeza que me causou. É uma leitura muito rica, até parece impossível que o autor a tenha escrito em apenas 15 dias!

5/5 estrelas

TAG | 7 Provérbios, 7 Livros

Saturday, August 4, 2018


Há uns dias, vi esta tag no blog da Cláudia e fiquei de olho nela. Ontem, voltei a vê-la no blog da Daniela e decidi que tinha de a fazer. Foi criada pela Mar. Então aqui vai...

1 - A pensar morreu um burro.

Um livro que enrolou, enrolou, enrolou e parecia nunca mais chegar ao fim



De todos os livros que li este ano, penso que O Hipnotista da dupla Lars Kepler será aquele que tem mais "palha". 

Não é necessariamente um livro aborrecido, mas tem demasiadas descrições e cenas um pouco irrelevantes para o tipo de livro que é. Quem lê um policial, não quer saber se as folhas no chão lá fora estão douradas, nem quer que lhe descrevam o barulho que fazem ao serem pisadas - pelo menos, não é isso que procuro num livro deste género. Penso que o livro beneficiaria se tivesse menos umas cem páginas. Torná-lo-ia uma leitura bem mais rápida e dinâmica.

Ainda assim, gostei da leitura, à qual dei 4 em 5 estrelas.

2 - Mais vale tarde que nunca.

Um livro de que não estavas a gostar muito, mas depois *puff fez-se luz* teve um final muito bom


Não foi necessariamente uma leitura de que não estivesse a gostar mas, quando lhe peguei, há uns meses atrás, não me prendeu e pu-lo de lado. No entanto, voltei a pegar-lhe em Julho e, se já viram a opinião no canal, sabem que acabei por adorá-lo!

3 - Antes só que mal acompanhado.

Um livro único (stand-alone) espectacular



Este foi um livro que eu li em 2017 e achei maravilhoso, mas ninguém lhe liga nenhuma. Nem a própria editora fez grande publicidade... Eu bem tento que o pessoal o leia, mas não sei se tem resultado.

É um YA contemporâneo que ultrapassa o romance - apesar de ter também essa vertente - e lida com assuntos mais sérios e complicados do que a maioria dos livros deste género.

4 - A galinha do vizinho é sempre melhor que a minha.

Um livro muitas vezes comparado a livros ou sagas populares, mas que ficou um pouco abaixo das expectativas



Não sei se este livro é comparado a outros mais populares mas, para mim, foi uma desilusão. Foi-me enviado pelo próprio autor, e eu nem sequer o terminei, para verem o nível de desagrado...

5 - Para bom entendedor meia palavra basta.

Um livro curto, mas bom



Vou ser previsível e escolher um dos livros favoritos do ano - O Diário Oculto de Nora Rute. Como sabem, tornei-me uma fã incondicional de Mário Zambujal há uns meses. A maioria dos seus livros são bastante curtos, e podem ser lidos numa tarde.

O Diário Oculto de Nora Rute é uma leitura leve, cheia de humor e 'portuguesices' que eu adorei, por isso é perfeita para esta categoria 😉 Podem ler a minha extensa opinião aqui.

6 - Todos os caminhos vão dar a Roma.

Um livro e/ou universo literário para o qual gostavas de viajar



Penso que muita gente respondeu o mesmo, mas claro que adoraria viajar até Hogwarts. É virtualmente impossível alguém da minha geração não querer (ou ter, nalguma altura, querido) ser aluno em Hogwarts, nem que fosse para explorar os lugares proibidos do castelo, jogar Quidditch, ou aprender a usar magia e a tratar de mandrágoras.

7 - Quem te avisa teu amigo é.

Recomenda três livros


Esta é difícil, mas vou recomendar três livros de géneros diferentes, para poder agradar a mais gente:


Não vou nomear ninguém em específico para responder a esta tag mas, quem tiver interesse em responder, considere-se taggado! 

Obrigada por visitarem o blog,
Até ao próximo post ♡

Uma Abelha na Chuva | Carlos de Oliveira

Thursday, August 2, 2018


TítuloUma Abelha na Chuva
AutorCarlos de Oliveira
Editora: Livraria Sá da Costa
Ano de publicação: 1980
Páginas: 180

Onde comprar (portes grátis): Wook


Num dia destes, o meu pai trouxe um livro da biblioteca, daqueles que estão num caixote para dar a quem os quiser. Assim que vi o livro, reconheci o título e o autor, já que o Hugo tinha feito opinião não há muito tempo. Peguei nele nessa noite, e terminei-o no dia seguinte.

Uma Abelha na Chuva conta-nos a história de Álvaro e Maria dos Prazeres, casados por interesse. Casaram numa altura em que as famílias fidalgas se encontravam falidas e, como tal, casavam as suas filhas com comerciantes e lavradores. "Sangue por dinheiro", como nos conta o autor. No início da narrativa, Álvaro dirige-se, a pé e enlameado, à redacção da Comarca de Corgos. Pretende publicar no jornal uma confissão dos seus pecados, para poder, de alguma forma, redimir-se. A partir daqui, desenvolve-se a história deste casal - com um enredo super dramático que me prendeu do início ao fim.

Como sabem, um dos meus objectivos para este ano era ler obras nacionais. Tenho conseguido fazê-lo, e tenho lido obras fantásticas - mas também já me desiludi com outras... Uma Abelha na Chuva insere-se na categoria de surpresas agradáveis, já que foi uma leitura bastante prazerosa. Com apenas 180 páginas (sendo que as edições mais recentes têm cerca de 130), Uma Abelha na Chuva é uma leitura rápida e compulsiva. O dramatismo de todos os acontecimentos é digno de uma telenovela mexicana, e é também algo que prende o leitor e não o larga até que a leitura esteja terminada.

Domingo, dia de missa, consultório e chinquilho nas tascas, dia de levar a garotada à malga do barbeiro: enfia-se a malga pela cabeça dos rapazes e o Albano faz a tosquia circular ao longo do rebordo; vem depois o disfarce, operação de pente e tesourada larga, que só não acaba de tornar o cachopo num verdadeiro urso, porque a cabeça dos ursos não é às escadinhas, como dizia depreciativamente o Rocha, que trazia um filho, em Corgos, a aprender o ofício na Barbearia Perfeição. (p. 176)

O livro tem um elenco reduzido, talvez uns sete ou oito personagens que surgem frequentemente, mas todos muito distintos. Há personagens para todos os gostos, e partilho já convosco a minha predilecta: D.ª Violante. Esta senhora fez-me rir várias vezes com os seus inúmeros provérbios, o que cortou um pouco a tristeza que está patente durante a leitura.

A escrita do autor diz-nos logo que este escreve poesia. É muito elaborada, e até ritmada, mas isso não torna, de todo, difícil a leitura de Uma Abelha na Chuva. Confesso que fiquei rendida, e gostaria de explorar mais a obra do autor.

Por hábito, lançou os olhos às colmeias, que lhe ficavam mesmo em frente, dez ou doze metros, se tanto, e viu uma abelha voar da Cidade Verde. Baptizava as colmeias conforme a cor de que as pintara, Cidade Verde, Cidade Azul, Cidade Roxa. A abelha foi apanhada pela chuva: vergastadas, impulsos, fios do aguaceiro a enredá-la, golpes de vento a ferirem-lhe o voo. Deu com as asas em terra e uma bátega mais forte espezinhou-a. Arrastou-se no saibro, debateu-se ainda, mas a voragem acabou por levá-la com as folhas mortas. (pp. 179-80)

É também uma obra interessante por representar a sociedade portuguesa de há umas décadas atrás. Retrata o quotidiano dos portugueses, bem como a situação política e económica da época, tanto na metrópole, como nas então colónias portuguesas. Isto implica, como devem calcular, racismo e sexismo, tendo em conta a época retratada e o colonialismo.

Não leias esta passagem à cunhada, mas fica sabendo que uma preta, bem espremida, deita mais sumo do que uma laranja. A questão é enchê-las dumas aguardentes lêvedas que por aqui há e eu quero ver onde é que está a branca que dê um rendimento destes. (p. 65)

Como foi anteriormente mencionado, a tristeza é algo proeminente em Uma Abelha na Chuva. A obra fala-nos sobre pessoas que vivem infelizes. Sobre a morte, a guerra e o colonialismo. Sobre amores forçados e amores impossíveis, proibidos. No entanto, o autor consegue encontrar um equilíbrio entre o tom de desgraça e o humor ou situações mais corriqueiras, tornando esta uma leitura agradável.

Em jeito de conclusão, Uma Abelha na Chuva surpreendeu-me pela positiva: foi uma leitura rapidíssima e cativante, que me fez devorar compulsivamente as suas páginas - e me arrebatou sem que eu o esperasse.

5/5 estrelas

Mulheres da Noite | Sara Blædel

Tuesday, July 31, 2018



Goodreads // Onde comprar: Wook ou BookDepository

A HISTÓRIA


No começo da história, é encontrado o corpo mutilado de uma prostituta. Na mesma altura, é encontrada uma bebé, abandonada numa igreja. Mais tarde, surge outro corpo, desta vez de um bebé, também este mutilado. Durante a leitura, acompanhamos a investigação da inspectora Louise e da sua amiga Camilla, jornalista, enquanto tentamos perceber se existe alguma conexão entre estes acontecimentos, e descobrir quem terá abandonado a bebé e cometido os dois homicídios.

OPINIÃO


Mais um livro da minha querida Sara Blædel! Demorei um pouco a terminar esta leitura, não só porque este livro é um pouco maior do que os que li anteriormente, mas também porque tenho estado numa reading slump. No entanto, isso não me impediu de adorar esta leitura.

Tal como nos restantes livros da série, a autora lida com tópicos controversos – desta vez, fala-nos sobre a prostituição, o tráfico humano, e a exploração de mulheres por parte da máfia.

O choque tem um papel mais relevante em Mulheres da Noite do que nos livros lidos anteriormente, já que inclui cenas e descrições bem mais gráficas e macabras. Com descrições de coisas como 'gravatas Colombianas' e do corpo mutilado de um nado morto, Mulheres da Noite torna-se uma leitura inquietante que choca o leitor de forma a que este não consiga ficar indiferente.

Descrições à parte, Mulheres da Noite inclui revelações (também estas chocantes) de situações pelas quais, infelizmente, muitas mulheres têm de passar. Como já foi dito anteriormente, Mulheres da Noite trata a prostituição e o tráfico humano - que estão frequentemente relacionados. Sendo mulher, ler sobre meninas (muitas delas menores) que são raptadas e forçadas a vender o seu corpo na rua é arrepiante. Obviamente, há muito que já se sabe desta práctica, mas ler sobre o assunto sabendo que a autora fez, como faz sempre, uma pesquisa algo aprofundada para poder concretizar o seu livro torna tudo ainda mais real.

Outro tópico chocante que é mencionado a certa altura é o turismo de guerra. Infelizmente, não estou a falar do turismo que consiste em visitar sítios que sofreram conflitos militares. Estou a falar-vos de pessoas que vão a sítios sob conflito para matar outras pessoas. Aparentemente, durante a guerra da Bósnia, houve quem pagasse para lá ir matar civis - como quem vai de férias, estão a ver? Havia diferentes pacotes e tudo. Mais uma vez, isto é obra da máfia, e não há palavras para a repulsa que me provoca.

A investigação é cativante, cheia de reviravoltas - mesmo como eu gosto! Como é hábito, Blædel traz-nos um enredo fantástico com várias histórias diferentes que, por mais distantes e alheias que possam parecer umas em relação às outras, são brilhantemente entrelaçadas. Desafio-vos a tentarem descobrir a ligação antes da mesma ser revelada... é quase impossível! Arrisco-me a dizer que não há quase nada que possa ser previsto nesta leitura - quem gostar de imprevisibilidade, dê uma chance a este livro.

Quanto aos personagens, Blædel mostra-nos a dificuldade que estes têm ao lidar com estes crimes e as suas resoluções, bem como com os seus problemas pessoais. A autora constrói e apresenta os seus personagens de uma forma muito real, algo que eu aprecio bastante. Adoro a Louise como personagem principal, bem como o ponto de vista da sua amiga Camilla. Cada vez gosto mais desta dupla!

Só gostava de não ter lido esta série toda fora de ordem. Assim teria acompanhado a história dos personagens desde o início. Pode, sem dúvida, ler-se a série fora de ordem, ou mesmo qualquer livro isolado, mas é sempre melhor ler as séries por ordem cronológica, não é?

Resumindo, esta é uma leitura cativante, bem executada e com um enredo fantástico, cheio de reviravoltas. Sara Blædel tem tornado as minhas aventuras pelo Nordic Noir numa experiência magnífica. É, sem dúvida, uma das minhas autoras preferidas!


4/5 estrelas

Espero que tenham gostado da minha opinião de Mulheres da Noite e, se quiserem, vejam as outras opiniões aqui.

Aqui fica a opinião em vídeo, para quem tiver interesse!


Até à próxima! ♡

Leituras de Verão | Recomendações 2018

Monday, July 30, 2018


Já que, aparentemente, o calor vem aí (agora é que é!!), decidi que era uma boa altura para vos recomendar leituras que combinam com o tempo mais quente ☼

Comecemos por uma breve definição do que é, para mim, uma leitura de verão: história leve; romance; elementos típicos de verão como calor, praia, piscina, pic-nics, etc. Em suma, um livro que seja fácil de ler e que nos ajude a descontrair nas férias.

Não sei quanto a vocês, mas eu tenho a mania de ler livros de acordo com as estações do ano. Não me restrinjo, claro, mas tenho mais tendência a ler romances no verão e thrillers no inverno, por exemplo.

Posto isto, venho partilhar convosco algumas das minhas leituras preferidas de Verão, bem como alguns livros que serão lançados (lá fora) durante os próximos meses. Alguns destes livros já estão traduzidos em Portugal, por isso vou assinalá-los com o título a negrito. Se quiserem, aproveitem a promoção de 20% em tudo + portes grátis da Wook (dia 31 de Julho) para adquirirem os livros que vos agradarem. Podem usar o meu link de afiliada para ajudarem o blog e o canal sem custos adicionais!


OS MEUS FAVORITOS


31450675    31282984    18667779

The Inevitable Collision of Birdie & Bash de Candace Ganger - 5/5 ★

Dreamology de Lucy Keating - 4/5 ★

Everything Leads to You de Nina LaCour - 4/5 ★


        

The House at Saltwater Point de Colleen Coble (opinião aqui) - 4.5/5 ★

O Diário Oculto de Nora Rute de Mário Zambujal (opinião aqui) - 5/5 ★

A Mulher do Camarote 10 de Ruth Ware - 4/5 ★


27158835    21525995    28220966

You Know Me Well de Nina LaCour & David Levithan - 4.5/5 ★

In Real Life de Jessica Love - 4/5 ★

The Possibility of Somewhere de Julia Day - 4/5 ★


        

Trilogia A Todos os Rapazes que Amei de Jenny Han - 5/5 ★

Trilogia Summer de Jenny Han - 5/5 ★

Meet Cute de VV. AA. (antologia) - leitura em andamento


Image result for morgan matson covers    Image result for summer days summer nights    Image result for rainbow rowell covers

The Unexpected Everything de Morgan Matson - 5/5 ★

Summer Days & Summer Nights de VV. AA. (antologia) - 4/5 ★

Eleanor & Park de Rainbow Rowell - 4/5 ★


        

Fangirl de Rainbow Rowell - 4/5 ★

My Life Next Door de Huntley Fitzpatrick - 5/5 ★

What I Thought Was True de Huntley Fitzpatrick - 4/5 ★


NOVIDADES


        

Smothered de Autumn Chiklis (7 de Agosto; opinião no canal) - 3.5/5 ★

Save the Date de Morgan Matson (5 de Junho)

What If It's Us de Becky Albertalli & Adam Silvera (9 de Outubro)


Já leram algum destes livros? Quais são as vossas recomendações para o verão?

Obrigada por visitarem o blog,
Até ao próximo post ♡

Na Mesinha de Cabeceira | Agosto 2018

Saturday, July 28, 2018


Meses depois, estou de volta com um post de TBR!! Desta vez, como podem ver, são menos livros, e todos curtinhos. Isto porque, com muita pena minha, estou atrasada no desafio de leitura do Goodreads – 9 livros atrasada... Por isso, escolhi alguns livros curtos que ando para ler há algum tempo, de forma a ficar mais perto do número de livros lidos que era suposto ter atingido a esta altura.

OS LIVROS


   – Uma Abelha na Chuva de Carlos de Oliveira: comecei esta leitura ontem à noite, e já estou quase a acabar. É um livro bastante curto, e lê-se muito bem, por isso faltam-me apenas 30 páginas para o terminar!

   – Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco: quem viu o meu vídeo especial do Dia de Portugal sabe que Camilo é um dos principais autores portugueses que gostaria de conhecer ainda este ano. Como tal, e tendo em conta o reduzido número de páginas, achei que não havia altura melhor para o ler.

   – The Last Straw de Ed Duncan: recebi este livro há pouco tempo, enviado pela editora. É um thriller relacionado com carjacking, e parece-me muito bem. Como me foi enviado para escrever uma opinião, fica já despachado e é menos uma preocupação 😋

   – A Filha do Optimista de Eudora Welty: trouxe este título da Feira do Livro deste ano, por um preço muito simpático. Apesar de não saber quase nada acerca dele, tenho um feeling de que vou gostar. Vamos ver...

   – Cafuné de Mário Zambujal: como já sabem, Zambujal é o meu autor português favorito (dos poucos que conheço). Quando o conheci, também na Feira do Livro, o autor disse-me que este foi um dos livros que mais gosto lhe deu a escrever, por isso passei-o logo para o topo da TBR. Já li algumas páginas e deu logo para perceber que se trata de uma ficção histórica, por isso estou muito entusiasmada para continuar a leitura e ver o que sai daqui.


E são estes os livros que planeio ler em breve. Quais são os livros na vossa TBR?

Até ao próximo post ♡

The House at Saltwater Point | Colleen Coble

Friday, July 27, 2018



Goodreads // Comprar este livro: capa mole ou capa dura

The House at Saltwater Point é um cruzamento entre um mistério/thriller e um romance contemporâneo. Como irão perceber, esta mistura funcionou na perfeição. Comecemos por um resumo da história:

Este livro faz parte de uma série que tem como background uma localidade costeira chamada Lavender Tides. É o segundo livro, mas não faz diferença nenhuma começar por este, até porque o primeiro livro segue uma personagem principal diferente. Ellie é a nossa protagonista. No início do livro, tem um pequeno desentendimento com Mac, a sua irmã, que desaparece umas horas depois. Mac deixa um rasto de sangue no seu barco, por isso Ellie entra em pânico, pensando que a irmã foi  atacada e raptada. Entretanto, Grayson, um Guarda-Costeiro, começa a investigar o desaparecimento de uma quantidade avantajada de cocaína. Os seus destinos cruzam-se quando Grayson revela a Ellie que desconfia que Mac esteja envolvida neste caso. Assim, estes dois personagens juntam-se para tentar descobrir o que aconteceu na realidade.

O que mais me prendeu a este livro foi, provavelmente, o conjunto de personagens que a autora nos apresenta. Adorei-os a todos - tanto individualmente, como em grupo. Trabalham muito bem juntos, em harmonia, apesar das suas diferenças.

O romance é também um ponto forte desta leitura, apesar de não ser uma parte central da história. O casal é muito giro e vê-se bem que a autora os escreveu um para o outro. A sua relação desenvolve-se morosamente, e a autora consegue cativar o leitor por isso mesmo. Queremos sempre saber se vai dar molho ou não, não é verdade?

Para minha surpresa, esta investigação vai para lá de um crime pouco relevante numa cidade pequena, envolvendo terrorismo e conflitos internacionais. Esperava uma resolução mais básica, e não tão bem pensada. É um livro com um tom sério mas que, simultaneamente, tem também uma atmosfera leve, de Verão, já que se passa junto ao mar e, como mencionei, inclui também algum romance.

É uma experiência de leitura fantástica que recomendo tanto a quem gosta de mistérios, como a quem aprecia um bom romance. Fiquei rendida e vou, definitivamente, continuar a ler os livros da autora!

4/5 estrelas

Leituras Favoritas de 2018 (até agora)

Friday, July 20, 2018


Passada a primeira metade do ano, é agora altura de reflectir sobre as nossas leituras. Com o auxílio do maravilhoso Goodreads, consegui reduzir as minhas 30 leituras deste ano a um top daquelas que considero serem as melhores.

Alguns destes livros têm opinião aqui no blog, por isso basta clicar no título para as lerem!
Comecemos...

    

A Mulher Entre Nós de Greer Hendricks & Sarah Pekkanen
Restore Me de Tahereh Mafi
O Homem de Giz de C.J. Tudor
As Raparigas Esquecidas de Sara Blædel


    

Lies de T.M. Logan
The Kind Worth Killing de Peter Swanson
The House at Saltwater Point de Colleen Coble
Sharp Objects de Gillian Flynn
The Snowman de Jo Nesbø


 

Por último, mas talvez mais importante, não podia deixar de mencionar um dos meus novos autores predilectos - Mário Zambujal. Tenho lido um livro por mês desde que o descobri com O Diário Oculto de Nora Rute, com excepção de Junho (um fiasco em termos de leituras!). O último que li foi Talismã, que já tem também opinião aqui no blog. Neste momento, estou a ler mais um dos seus títulos - Cafuné que, segundo o que o autor me disse na Feira do Livro, é um dos livros que mais gosto lhe deu a escrever.


Como dá para perceber, estamos a meio do ano e já tenho imensos favoritos. Nem quero pensar no sofrimento que vai ser escolher os melhores livros do ano quando 2019 se aproximar...

Quais foram os melhores livros que leram até agora, em 2018?

Boas leituras,
Até à próxima! ♡

no instagram

© Achar o fio à meada. Design by FCD.